domingo, 27 de setembro de 2015

SONETO E EU


Imagem - Google


Soneto e eu


Não sei se escolho o soneto ou se ele me escolhe.
Não sei se lhe sou flor ou ele meu canteiro.
Só sei que planto versos, e ele, jardineiro,
Se abre em sulcos e minha semente acolhe...

Que males faz sua cerca que a nós circunda?!
Não sei dizer! mas à poda não nos entrega,
Pois brota cerca viva, e a cada flor rega
De orvalhos e sonhos a lhes manter fecundas...

Talvez sejamos botão, o soneto e eu,
E embora o espinho doutras rosas sobrepostas
- Que nos desejam enclausurar à cova em breu-

Somos jardim de poesias ditas loucas,
A sobreviver, livres da cultura imposta,
A nos cultivarmos, em luz, e às oiças moucas...

Luciana Nobre

  https://www.facebook.com/poemasdaluck