sábado, 19 de maio de 2018

A VOLÚPIA DA PAIXÃO


Arte de Pierre-Gérard Langlois


A VOLÚPIA DA PAIXÃO


Nesta fotografia em que estás colossal, perfumada,
Eu te dedico cheio de anseio e amor, minha amada
Toda a grande paixão que transborda do meu peito
Vem do coração que de tanto te amar está desfeito!

E esta tua fotografia escultural, que até a perfumei
Com a flor do nenúfar, digo-te agora que lhe gravei
Utilizando todas as tintas do poente, minha querida,
O amor que sinto por ti, que me veio adoçar a vida!

E para que a minha missiva, tivesse cores vivaces
Retoquei-a para não perder o rubor das tuas faces,
Preparei-a para quando leres, caias em meditação,

Dizendo-te quanto meu amor por ti é transcendente;
Que sou alguém que neste mundo por ti lentamente
Vai vivendo de amor por ti, com a volúpia da paixão!

Alfredo Costa Pereira
 

sexta-feira, 18 de maio de 2018

ÁGUA-BENTA



ÁGUA-BENTA


Eu remexo as cinzas da lareira,
reviro-as a buscar uma inteira
para que aqueça a noite gelada,
pra que serene a alma magoada.
 
Por entre as cinzas e a poeira
há a cheirosa e doce madeira,
que de um quintal foi retirada,
em manhã solar e abençoada.
 
A candeia está apagada agora,
na aproximação de outra aurora
que chega e, lá fora, se anuncia.
 
Visto-me - e a branca vestimenta
foi lavada com mágica água-benta
para afastar toda dor, toda agonia.
 
Silvia Regina Costa Lima

quinta-feira, 17 de maio de 2018

CONTIGO QUERO VIVER LONGE DA CIDADE


Fotografia de Manuela Morêda 


CONTIGO QUERO VIVER LONGE DA CIDADE


Longe da cidade, em paragens luminosas, cá, 
Onde a corrupção não formiga tanto como lá,
Seria com certeza nossa vida o mar de rosas,
Plena de felicidade, e paragens maravilhosas!

Libertos dos preconceitos desta vida mundana
Sentindo o fulgor da atração dos nossos peitos
Celebraríamos nosso amor aqui nesta cabana,
Totalmente livres de todos citadinos preceitos!

Pensava nisto, sonhador, fitei bem, sem receio
Com teus olhos queridos e meu coração cheio
De ardor! Senti o que poetas chamam amor!

Conclui, em consciência, com razão de sobra,
Que te adoro querida! Sou escravo desta obra!
Por aqui, os raios do luar dão-te mais frescor!

Alfredo Costa Pereira

SONETO 42 | 2018




SONETO 42 | 2018


No fundo dos teus olhos rasos
há um brilho que só eu o vejo
de uma lágrima de acasos
na saliva de um só beijo.

Há tanta ternura escondida
que tem medo em ser descoberta
por entre os atalhos da vida
envolta numa nuvem incerta.

De gotas tão resplandecentes 
trespassadas por raio solar
em terra arada acolhidas

um refugio de outras vidas 
já com asas para se libertar 
e voar, por entre as sementes!

António Fernandes

sábado, 5 de maio de 2018

SONETO PARA MIM




SONETO PARA MIM


Minha alma por vezes diz, andar perdida
não por estar nesta vida descontente
apenas porque são penas de outra vida
uma aflição, uma tortura veemente.

Se nos dias e noites hei-de chorar
que ninguém me diga nada ou me censure
anseio por viver e querer amar
é apenas um querer e que perdure!

Ser apenas um querer de bem querer
desejar nas manhãs ao alvorecer
luz e navegar nos dias a sorrir.

Na clara manhã em campos de papoilas
ouvindo ao longe o cantar de moçoilas
por entre doiradas hastes das searas 

Maria Lúcia Saraiva

domingo, 22 de abril de 2018

A NOSSA ENTREGA


Arte de Joseph Mallord William Turner


A NOSSA ENTREGA


Fim do dia! No céu nódoas de brasa,
Aos poucos lá empalidece a mancha,
Desfazendo-se o colorido que arrasa,
Vindo sombras violetas de avalancha!

Ao olharmos as manchas do poente,
Chegou nossa entrega vorazmente!
O reflexo nas faces nós os dois o via,
Do sorriso feliz, que nos olhos se lia!

O céu é agora um enorme pálido lago 
Onde anda boiando a doce mansidão;
E o sopro amoroso do céu é um afago!

Penetrou em nossas almas claridade 
Enquanto a paz logo fez a associação
Com o doce voo ao longe de uma ave!

Alfredo Costa Pereira