quarta-feira, 30 de abril de 2014

OS OLHOS NÃO ENGANAM

 

“OS OLHOS NÃO ENGANAM”

Os olhos de quem ama
Têm um brilho de flor!
Discretos mostram o amor, 
Pelo menos disso têm fama.
A voz sob frase indiferente
Inutilmente finge e mente
Por mais que pareça erudita,
Treme, e o coração palpita.

Desviando o teu olhar
Do meu, trair procuras.
Com voz trémula murmuras,

E ouço o que sentes e não dizes!
Meus olhos ficam então felizes
Porque a seguir vou-te beijar!

Alfredo Costa Pereira

 

terça-feira, 29 de abril de 2014

NOITE CALMA DE POESIA

 
 
 

Noite Calma de Poesia

 
De repente me encontro só ao luar,
E quando me vejo assim tão dorido,
É como se eu tivesse esquecido, 

Que as estrelas refletem sobre o mar.
 
Neste espaço vazio tento encontrar
Algo que acalente meu coração sofrido,
Que de tanto amar já perdeu o sentido
E na brisa noturna me faz relembrar.
 
Tu és este amor que vem sorrateiro
Esgueirando com teu olhar brejeiro
Ascendendo em mim todo querer,
 
E nesta noite calma de poesia,
Vou traçando versos feitos com magia,
E de solidão noturna jamais sofrer.
 
Marco A. Alvarenga & -Mi-®
 
 

TEMPESTADE

 
 

Tempestade

 
Que ventania, amor, é forte o vento
Que sopra impiedoso sobre o mar,
Varrendo num instante o pensamento
De dias tão felizes a cantar.
 
Olhando para trás, num só momento
Vivido na esperança de te amar,
Ficou cá dentro um triste sentimento
De frustração e medo a torturar.
 
Agora, quando olho em teu olhar,
Procuro nos teus olhos encontrar
Os dias de bonança, o teu calor...
 
Vestido de esperança, hei-de ficar
Na ânsia de ainda um dia despertar
Teu coração para este imenso amor...
 
José Sepúlveda
 

SENTI UMA MÍSTICA TERNURA NA CHEGADA

 
 Pintura de Adrew Atroshenco
 
 

“SENTI UMA MÍSTICA TERNURA NA CHEGADA”

 
O meu coração já palpitava na viagem
Como uma lagoa no tremor da aragem.
Do mar, ouvia-se um cântico triste lá fora
Como alma que hesita, receia e chora.
 
Pela janela do carro, de repente entrou,
Vadiando da vasta noite, um raio de luar,
Que rapidamente meus olhos iluminou,
Para meus sentidos dormentes acordar.
 
E cheguei: entrando sob um dia risonho
Fechei os olhos para sempre te ver linda,
Como se estivesses no meu sonho, ainda.
 
Quando te vi, o vento teu cabelo esvoaçava
Deste-me uma mística ternura à chegada!
Beijei-te, abracei-te e deixei viver o sonho!
 
Alfredo Costa Pereira

 

segunda-feira, 28 de abril de 2014

TELA DA VIDA

Tela da Vida

 
Lancei meus sentimentos numa tela
E pus‐me a pincelar na noite escura
Olhei e então notei ser tão singela
A tela desta minha vida obscura
 
Pintei naquela tela uma aguarela
Com as cores que ditava o coração
Senti‐me aprisionado numa cela
De amor, de fantasia e de ilusão
 
E quando já no fim olhei meu quadro
 Fiquei olhando um lado, o outro lado,
A minha estrada em cores ressarcida
 
Nos traços dessa tela eu descobri
As sensações estranhas que vivi
Nas tensas pinceladas desta vida
 
José Sepúlveda
 

domingo, 27 de abril de 2014

SÓ TE QUERIA DAR UM BEIJO

 
 

 

“SÓ TE QUERIA DAR UM BEIJO”

 
Abriu-se para a vida a minha alma
Como a flor de um perene arbusto.
Quando nasci, raiava sol e calma
E garças com o seu porte augusto!
 
Cresci, surgiu-me o amor todo feito
De nevoeiro, de neblina tao cerrada,
Que quanto mais à volta eu espreito
Só te vejo a ti, amor, e mais nada.
 
E é tão pouco aquilo que desejo!
Mas vai longe a flor do teu beijo,
Que voa nas alturas das garças.
 
Na praia há nevoeiros e fumaças;
E quando olho para a lua serena,
Escutando o mar, eu tenho pena.
 
Alfredo Costa Pereira
 

sábado, 26 de abril de 2014

QUANDO PARTIR

QUANDO PARTIR


Quando partir serei o pensamento!
A palavra sentida, o livro aberto…
A alma, o coração, o sentimento!
As mágoas que vivi, de mim tão perto…

Nos meus versos de dor e sofrimento,
Pregação da justiça no deserto…
Aos homens peço mais discernimento:
Que saibam distinguir errado e certo!…

Também deixo palavras de esperança,
Aos pobres deserdados pela sorte,
Vidas sombrias faltas de bonança…

Deixo a minha paixão que reconforte:
A quem fizer de mim uma lembrança,
A quem me dê mais vida além da morte!...

José Manuel Cabrita Neves





LUÍS DE CAMÕES


Luís Vaz de Camões (Lisboa ? 1524 — Lisboa, 10 de Junho de 1580.

Um poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura

em língua portuguesa e um dos grandes poetas do Ocidente.




O retrato de Camões por Fernão Gomes, em cópia de Luís de Resende.
Este é considerado o mais autêntico retrato do poeta, cujo original, que se perdeu, foi pintado ainda em sua vida


Os Lusíadas é considerada a epopeia portuguesa por excelência. O próprio título já sugere as suas intenções nacionalistas, sendo derivado da antiga denominação romana de Portugal, Lusitânia. É um dos mais importantes épicos da época moderna devido à sua grandeza e universalidade. A epopeia narra a história de Vasco da Gama e dos heróis portugueses que navegaram em torno do Cabo da Boa Esperança e abriram uma nova rota para a Índia. É uma epopeia humanista, mesmo nas suas contradições, na associação da mitologia pagã à visão cristã, nos sentimentos opostos sobre a guerra e o império, no gosto do repouso e no desejo de aventura, na apreciação do prazer sensual e nas exigências de uma vida ética, na percepção da grandeza e no pressentimento do declínio, no heroísmo pago com o sofrimento e luta. 


O poema abre com os célebres versos:



As armas e os barões assinalados

Que, da ocidental praia lusitana,

Por mares nunca de antes navegados

Passaram ainda além da Taprobana,

Em perigos e guerras esforçados,

Mais do que prometia a força humana,

E entre gente remota edificaram

Novo reino, que tanto sublimaram.

.....

Cantando espalharei por toda a parte,

Se a tanto me ajudar o engenho e arte.


Luís de Camões 



(Os LUSÍADAS - canto I)




Capa da edição de 1572 dos Lusíadas


O AMOR E A MULHER



Dos temas mais presentes na lírica camoniana o do amor é central e ocorre de modo conspícuo também n' Os Lusíadas. Na sua conceção incorporou elementos da doutrina clássica, do amor cortês e da religião cristã, concorrendo todos para incentivar o amor espiritual e não o carnal. Para os clássicos, especialmente na escola platónica, o amor espiritual é o mais elevado, o único digno dos sábios, e esta espécie de afeto incorpóreo acabou por ser conhecida como amor platónico. Na religião cristã da sua época o corpo era visto como fonte de um dos pecados capitais, a luxúria, e por isso sempre foi encarado com desconfiança quando não desprezo; conquanto fosse aprovado o amor nas suas versões espirituais, o amor sexual era permitido primariamente para a procriação, ficando o prazer em plano secundário. Da poesia trovadoresca herdou a tradição do amor cortês, que é ele mesmo uma derivação platónica que coloca a dama num patamar ideal, jamais atingível, e exige do cavaleiro uma ética imaculada e uma total subserviência em relação à amada. Nesse contexto, o amor camoniano, como expresso nas suas obras, é, por regra, um amor idealizado que não chega a vias de facto e se expressa no plano da abstração e da arte. Contudo, é um amor preso no dualismo, é um amor que, se por um lado ilumina a mente, gera a poesia e enobrece o espírito, se o aproxima do divino, do belo, do eterno, do puro e do maravilhoso, é também um amor que tortura e escraviza pela impossibilidade de ignorar o desejo de posse da amada e as urgências da carne. Queixou-se o poeta inúmeras vezes, amargamente, da tirania desses amores impossíveis, chorou as distâncias, as despedidas, a saudade, a falta de reciprocidade, e a impalpabilidade dos nobres frutos que produz. Tome-se como exemplo um soneto muito conhecido:



AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER


Amor é um fogo que arde sem se ver
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer; 
é um andar solitário entre a gente; 
é nunca contentar se de contente; 
é um cuidar que ganha em se perder. 

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões


(Fonte - Wikipédia)







SONHOS

Imagem - Images inaire


SONHOS


Numa cama de sonhos me deitei,
Sedento das delícias do amor,
Numa maré de puro despudor...
Mas, contra o que esperava, não sonhei!


Um misto agridoce, amor e dor,
Diluídos no ar que respirei,
Mudaram o sabor do que provei
E não reconheci esse sabor...

Até que tu surgiste, minha querida,
Calaste meus suspiros e meus ais
Entrando em minha alma adormecida.

Agora, já desperto, sonho mais.
Menos adormecido, vivo a vida
E os mais belos sonhos são reais!

quinta-feira, 24 de abril de 2014

A VOZ SÁBIA DO MAR




“A VOZ SÁBIA DO MAR”

No céu pleno de estrelas de oiro,
Vai boiando a lua indiferente e fria.
O mar bravo, de estoiro em estoiro,
Lá em baixo, em voz alta, me dizia:

Tufões, ostentações de Primavera,
Chuva, granizo, terra que se desnuda,
Tudo isto a Natureza alcança e altera...
Só o teu amor, irmão, é que não muda!

E de onda em onda, a voz brusca do mar
Corta o silêncio, faz bailar o teu saiote
E espalha-se, aquecendo a luz fria do luar.

Afagando-te a vista, deliciando-te o olhar,
Levei-te comigo, a remar no meu bote,
Ao Paraíso, pelas ondas arquejantes do mar.

Alfredo Costa Pereira


 Pintura de Hamish Blakely

NO MUNDO DA LUA


 
NO MUNDO DA LUA

Planície do paraíso que se devora
Na noite, tule branco que se eleva
Ao magistral luar, lua cheia, ogiva...
Lilás, giz de amor, que se enamora.

Nas saudades voam-se as asas
Da madrugada, o semi- crepúsculo
Se faz luz nos beijos de sonho, óculo
De folhos que se deleita nas muralhas.

Ai, amor por que amuas quando
As nuvens se elevam, dá-te às claras
Janelas do coração, um mundo.

Quanta vez for necessário, o luar
Será lilás, azul também, giz de larvas
Que se conquistam pelos ares do amar.

® RÓ MAR

 

 


 

OUSADIA

“OUSADIA”

Olhos verdes encantados, cor do mar,
Tão pensativos, que me fazem sonhar…
Falam de amor, com ternura ousada,
 Com arrepios de uma mulher beijada!

Olhos tentadores de mulher amada!
Vai entardecendo até subir a lua...
E vejo-te, amor, naquela enseada,
Vestires uma franja de oiro, toda nua!

Leva-me contigo até mais longe, nessa
Tua franja de oiro com a cor do ocaso
Onde acaba o mar e onde o céu começa...

E pela vasta e longa noite feita de luar,
Desdobrada ao longe nos confins do mar
Entrelaçamos nossos corpos, sem atraso!

Alfredo Costa Pereira
 

Pintura de Hélio Cunha

quarta-feira, 23 de abril de 2014

ARRUFOS

 
 
 
 
ARRUFOS

Desesperado, lágrimas na face,
Ali fiquei sentado à tua espera…
Alimentando em esperanças a quimera,
Que não seja verdade o desenlace!
 
Voltar atrás no tempo, quem me dera,
Que tudo de um mau sonho não passasse,
Por não termos alguém que nos abrace,
Quando de nós a dor se apodera!...
 
Sentado no passeio da tua rua,
Em frente à tua porta, olho a janela,
Esperando ver abri-la a dona dela…
 
Depois do sol fiquei à luz da lua,
Até que, vaporosa e sorridente,
À janela te via finalmente!...
 
José Manuel Cabrita Neves

ETERNIDADE

 
ETERNIDADE

Neste tão breve tempo de viver,
Que passa tão veloz, que mal se sente…
Diz-se que passa o tempo a correr,
Mas ele fica. Quem passa é a gente!...

Há tanto pra fazer e pra escrever,
Neste espaço tão curto, insuficiente,
Que a maior parte fica por dizer,
Quando o futuro morre no presente…

O pensamento avança a cada instante,
Em total mutação e velocidade,
Tal qual uma andorinha em voo rasante!

Quem hoje sente o peso da idade,
Desejando legar obra bastante,
Só lhe resta um desejo: Eternidade!...

José Manuel Cabrita Neves

 
 

terça-feira, 22 de abril de 2014

OS NOSSOS TÃO HERÓIS DE MAJESTOSO MAR


 

OS NOSSOS TÃO HERÓIS DE MAJESTOSO MAR

Pelo brasão da Póvoa de Varzim
Vou louvar, ‘Sol dourado’, escritos orar
Dos nossos grandes poetas, tão escritores,
O berço de ouro de Eça de Queirós, um dos maiores.

Almeida Garrett, Raul Brandão, Ramalho Ortigão,
José Régio…Castelo Branco ao coração...
Vou elevar, nobre encontro literário tradicional
Que a lua prateada beija pelo luar do seu historial.

Ao leme d’afamada âncora prata a bom porto irá o frenesim
Que elege as caravelas, salve rios Minho e Douro
À vista a fé no maior festival, rico peixe, o tesouro.

Aos que o mar abraçou ouro rosário pra consagrar,
O grande povo e sua arte; são ‘Poveiros’, gentes de Portugal,
Os nossos tão heróis, de majestoso mar.

® RÓ MAR
 

Estátua de Eça de Queiroz na Praça do Almada.
"Sou um pobre homem da Póvoa de Varzim" é uma das frases autobiográficas mais célebres de Eça.
 




POESIA

 
POESIA

Que no amor exista poesia,
Isso é tão natural, quanto verdade!
Que também ela exista na saudade,
Confirma o coração em nostalgia…

Intrínseca, que está na liberdade,
Liberta em rimas toda a rebeldia!
Da Natureza, espelha a alegria,
Que de flores e aromas nos invade…

Porém na própria morte e sofrimento,
Ou outras situações, porque aberrantes,
Não teriam em poemas cabimento!...

Mas os poetas, esses seres pensantes,
São eles a poesia em sentimento,
Em que tudo os inspira e põe vibrantes!...

José Manuel Cabrita Neves

 
 

VINÍCIUS DE MORAES - SONETO DE FIDELIDADE

 


Soneto de Fidelidade


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.


Vinícius de Moraes, "Antologia Poética", Editora do Autor, Rio de Janeiro, 1960, pág. 96.


Vinícius de Moraes, ao lado retrato feito por Flávio de Carvalho




domingo, 20 de abril de 2014

FLORBELA ESPANCA - DESEJOS VÃOS


 



Desejos Vãos
 
Eu q’ria ser o Mar d’altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu q’ria ser a pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu q’ria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim dum dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras... essas... pisa-as toda a gente!...
 
Florbela Espanca
 
(Livro das Mágoas- 1919)
 
 
 
Mariza - Desejos Vãos (Florbela Espanca) HD Fado Live Lisboa
 
 
 

SINGELA CRIANÇA QUE TE QUER AMAR




SINGELA CRIANÇA QUE TE QUER AMAR

Ama-me tal ao Sol que é o coração…
Num dia qualquer, pleno em todo lugar;
Abraça-me tal ao Vento à nação…
Num ano qualquer; te quero sempre amar.

Ama-me tal ao Girassol laço à mão…
Num lugar qualquer, num dia todo par;...
Abraça-me tal ao Sorriso ente expressão
Baloiçante pelo ar; te quero embalar.

Sente a face que te acaricia o coração…
Escuta a melodia que te quer dar
O raio de Esperança em toda estação.

Beija a alma que te ilumina devagar…
Sente o ar à natureza que é paixão;
Singela Criança que te quer amar.

® RÓ MAR


  Imagem - Bellissime Immagini

ALMAS GÊMEAS

 
ALMAS GÊMEAS
 
Sempre que um coração fica magoado,
Logo se queda triste o nosso olhar…
Irmãos no sentimento e no penar,
Caminham de mãos dadas, lado a lado.
 
O coração, se ferido e a sangrar,
Nos olhos faz nascer um rio salgado,
Que desagua em pranto amargurado,
Nos lábios bebedouros, feitos mar…
 
Porém, se existe em ambos, felicidade!
Paira no ar um clima de magia,
Com promessas de amor e lealdade!
 
Assim, de tão felizes, certo dia:
O coração amava de verdade
E os olhos choravam de alegria!...
 
José Manuel Cabrita Neves
 
 
 
 

sábado, 19 de abril de 2014

(A)MAR A TEMPO INTEIRO


(A)MAR A TEMPO INTEIRO

(A)mar que tanto quer e nada vê…
O Coração abalroado ao cais, mercê
Da saudade d’um velho cacilheiro;
Jornal amarrotado ao punho forasteiro;

Saudades que traspassam em cliché
Letras de amarelado démodé…
Que se lêem no presente sobranceiro
Invocando pelo verbo conselheiro.

Ó alma, que lês o verbo amar, porquê?
Navegas pelo vento tão traiçoeiro
Que aos olhos o horizonte nem vê.

Abre o coração ao mar, teu companheiro,
E sente a vida livre de fuzuê
Pelo olhar que quer (a)mar a tempo inteiro.

® RÓ MAR

 

Imagem- Bellissime Immagini - Stephen Ramjewan

VINÍCIUS DE MORAES - Soneto do Amor Total


 
"Vinicius" por Ricardo Alfieri - Revista Gente y la actualidad. Año 5 numero 241. 5/03/1970. Buenos Aires, Argentina.. Licenciado sob Domínio público, via Wikimedia Commons 



Marcus Vinícius de Moraes


Rio de Janeiro, 19 de Outubro de 1913 -Rio de Janeiro, 9 de Julho de 1980

Vinícius de Moraes


Soneto do Amor Total


Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude

Vinícius de Moraes




DESPEDIDA

 
Despedida
 
O céu perdeu o eterno encanto,
As estrelas cansadas perderam brilho,
Os cristais se tornaram pranto,
E os versos perdidos em quartilho...
 
As palavras se intimidaram aos olhos,
O poeta já não tem mais sua musa,
As cortinas se fecharam na janela,
A poesia encontra-se reclusa...
 
A noite já não é mais dos namorados,
Que viviam entre beijos e canções,
Perde o poeta suas inspirações...
 
A lua não acredita mais nos bardos,
Nem que é a única e completa,
Nos tristes versos de um louco poeta...
 
Marco A. Alvarenga
 
 
 

FLORBELA ESPANCA



Florbela Espanca

 

Flor Bela de Alma da Conceição Espanca

 

Vila Viçosa, 8 de Dezembro de 1834 - Matosinhos, 8 de Dezembro de 1930

 
 
AMAR!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui...além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém! ...

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi para cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder...pra me encontrar...

Florbela Espanca
 
 
 
 
SE TU VIESSES VER-ME

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...
 
Florbela Espanca
 
_________&_________
 
 
O NOSSO MUNDO

Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
Como um divino vinho de Falerno!
Poisando em ti o meu amor eterno
Como poisam as folhas sobre os lagos...

Os meus sonhos agora são mais vagos...
O teu olhar em mim, hoje, é mais terno...
E a Vida já não é o rubro inferno
Todo fantasmas tristes e pressagos!

A vida, meu Amor, quer vivê-la!
Na mesma taça erguida em tuas mãos,
Bocas unidas hemos de bebê-la!

Que importa o mundo e as ilusões defuntas?...
Que importa o mundo e seus orgulhos vãos?...
O mundo, Amor?... As nossas bocas juntas!...
 
Florbela Espanca

_________&_________
 
INTERROGAÇÃO

Neste tormento inútil, neste empenho
De tornar em silêncio o que em mim canta,
Sobem-me roucos brados à garganta
Num clamor de loucura que contenho.

Ó alma da charneca sacrossanta,
Irmã da alma rútila que eu tenho,
Dize para onde eu vou, donde é que venho
Nesta dor que me exalta e me alevanta!

Visões de mundos novos, de infinitos,
Cadências de soluços e de gritos,
Fogueira a esbrasear que me consome!

Dize que mão é esta que me arrasta?
Nódoa de sangue que palpita e alastra...
Dize de que é que eu tenho sede e fome?!
 
Florbela Espanca
 
___________&__________
 
 
4 Sonetos de Florbela Espanca (lidos por Miguel Falabella)
 
 
 
 
 

sexta-feira, 18 de abril de 2014

A PAIXÃO QUE SEDUZ A LUA AO VERSO

 
A PAIXÃO QUE SEDUZ A LUA AO VERSO

Labareda infinita, que suspira alma
E aquece o coração na breve chama
De luar, que se navega ao pensamento
No mais eterno e audaz fio de momento.

Flor de açucena…o brilho à natureza,
Em pétalas de lua cheia de pureza...
Voa pelos confins, sem que hora marcada
Tenha, na alegoria dos olhares que têm vida.

Rasga o céu e traz a paz, leve e encantada,
Na breve e majestosa alva…alvorada
Que dilata doce aroma ao universo.

É néctar entre o beijo da noite à manhã,
Traz surpreso jasmim pelo laço elã,
A paixão que seduz a lua ao verso.

© RÓ MAR

 
 

BORBOLETA

 
BORBOLETA

Saiu do seu casulo amedrontada
Olhou p’ra si com ânsia, com vontade
De abrir as suas asas e, animada,
Voar, voar em plena liberdade

E foi pousar na rosa, no jasmim,
Beijar papoilas alta madrugada,
Acarinhar o lírio, o alecrim
E tudo no jardim rejubilava

E nesse seu bailado singular
A frágil borboleta ousou 'spalhar
Carinho e afeição à sua frente

Como era bom que dum casulo escuro
Nascesse um coração imenso e puro
Que desse amor e paz a toda a gente

José Sepúlveda
 
 
 

AS ABELHAS

 
AS ABELHAS
 
Pousando aqui e além de flor em flor,
Seleccionando os pólenes melhores,
Pela sua doçura, os seus sabores,
Do amanhecer até o sol se pôr…
 
São estes operários voadores,
Que obedecendo à mestra superior,
Como a formiga, unidos no labor,
Fabricam o doce mel cheirando a flores!
 
Porque o inverno é longo, o seu celeiro,
São os favos de mel que fabricaram,
Durante o verão florido e soalheiro!
 
Tal qual como um imposto, lhe tiraram
A maior parte desse mealheiro,
Para o qual elas tanto trabalharam!
 
José Manuel Cabrita Neves
 
 
 

MEU REFÚGIO

 
Meu Refúgio
 
Que fujam as rimas dos meus sonetos,
Escureça o céu, morram as flores,
Que a primavera vire outono,
Que o verão dê espaços ao inverno...
 
Que as tempestades inundam vidas,
Sejam maremotos todas as dores,
Que não cicatrizem minhas feridas,
E não haja sol todos os meus dias...
 
Desde que a vida não me abandone,
E sua boca seja minha fonte,
Seu desejo único horizonte,
 
Que sejam meus abrigos os seus sonhos,
Seu corpo o calor do meu cobertor,
E sua simplicidade... Meu amor!
 
Marco A. Alvarenga
 
 
 

quinta-feira, 17 de abril de 2014

RIO TEJO

 
RIO TEJO
 
Há um deslumbramento no que vejo,
Ao espraiar em ti o meu olhar!
Ver-te feliz correndo para o mar,...
Meu adorado e belo rio Tejo!
 
Há danças de gaivotas pelo ar!
Há barcos enfeitados em cortejo!
E há nos corpos quentes o desejo,
De mergulhar em ti, se refrescar…
 
Banhas Toledo, Santarém, Lisboa,
Culminas num estuário imponente,
Como que festejando a chegada…
 
No cais, vive saudosa, uma canoa,
Contando com vaidade a toda a gente,
Que ainda está por ti enamorada!...
 
José Manuel Cabrita Neves
 
 

PROFUNDO...

Profundo...


Saber você sobre todas as coisas,
No meu dia a dia é alegria,
Em noites solitárias meu drama,
É frio instalado em minha cama...

A tua mágoa me maltrata a alma,
É profunda causa de medo é segredo
Contido dentro do ego e me apego,
Neste teu vício desde o início...

É me ver contido neste teu mundo,
É o profundo misturado no raso,
Simplesmente um caso com teu acaso...

Ter você é meramente viver ou morrer,
Viver esse amor e morrer ao teu lado,
É amar você e me fazer amado...

Marco A. Alvarenga