segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

CHAMA




Chama


Não te reconheço, Oh! fria chama,
quando a carne me sopras, tão ardente...
Teu toque, brisa que me atiça e inflama
As cinzas acumuladas… dormentes

Desconheço alegrias ou dramas.
As brasas vivas, de ar vivo carentes,
Denunciam fogo fundido à lama
Da lágrima finda em ardor latente...

Sei arder fagulhas… morno desejo,
Sufocando a frieza não cumprida
Que só aguarda a faísca de um beijo...

sei que este fogo há de queimar em vida
O combustível, tal querer sobejo,
De incendiar a volúpia sentida!

Luciana Nobre
 

SÓ TEU AMOR ME FAZ FELIZ





" SÓ TEU AMOR ME FAZ FELIZ "


Só esse teu amor me faz feliz,
Sentindo teus carinhos, teus abraços,
Há algo que me fala, que me diz,
Só posso ser feliz nesses teus braços.

Sem ti eu já não vivo, és matriz,
Deste tão lindo sonho, finos traços,
Princesa, grande amor que sempre quis,
És tu o anjo que guia os meus passos.

És minha alma gemia, meu tesouro,
Longe de ti jamais eu me demoro,
Ó minha doce Eneia, musa bela.

Eu vou amar-te assim a vida inteira,
Porque acendeste em mim esta fogueira
Que brilha muito mais do que uma estrela.

Abílio Ferradeira de Brito

RESPIRAMOS MEIOS-DIAS





RESPIRAMOS MEIOS-DIAS


Porque me tens acesa, em entrelinhas,
Numa alma que sussurra que ainda me sonhas,
Escrevendo desejos nivelados ao horizonte,
Abraçando os lençóis vazios de mais uma noite!?

Porque me inventas, em palavras ocultas,
Quando te procuro e tanto me escusas!?
Que deixa é essa, que não me deixa livre
Para continuar o diálogo tão simples sempre,

Não são essas as palavras a dizer!
Temos muitos sentimentos nos olhares
Que morem de saudades por não ser!

Momentos…e, respiramos meios-dias,
Vivendo a labareda de amores,
Amuando o tempo em tristes melodias!

© RÓ MAR

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

PUDERA EU




" PUDERA EU "


Pudera eu sorrir a vida inteira
Olhando esse teu rosto angelical,
Sentir-te meu amor à minha beira
Com o teu ar feliz e jovial.
 
Pudera eu içar minha bandeira
Nesse teu coração tão magistral
E não sofrer assim desta maneira
As mágoas que me causam tanto mal.
 
Pudera mas não posso, vivo triste, 
Porque este meu sofrer é espada em riste
Me vai rasgando a alma dia a dia.
 
A vida vai caindo e se extravaza
A esperança moribunda, campa rasa,
Onde funesta jaz minha alegria.
 
Abílio Ferradeira de Brito

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

SEMPRE AQUI…


Imagem - Black to Black


SEMPRE AQUI…


Sempre aqui…ainda esperando um sinal teu.
Meu ser é tão igual ao primeiro dia que foste meu,
Meu olhar é muito triste pela tua ausência
E meu vestido engelha e perde a boa aparência.

Sempre aqui…no mesmíssimo lugar onde te amei.
Minha essência é a mesmíssima, mas, numa outra cara,
Meu corpo encaracola por um tempo de espera
E minha alma sucumbe ao tempo que estarei.

Sempre aqui…na poltrona do teu mundo.
Meu pensamento está perto do teu olhar
E a minha vida tem um só lugar.

Sempre aqui…num espaço que apodrece.
Meu coração ainda te sente e não esquece
E minha vida sem ti não tem sentido.

© Maria Pessoa (pseudónimo)

RESPIRO PRIMAVERA





RESPIRO PRIMAVERA

Dentro do tempo que em mim escolhi, para o dia
Que me amanhece, visto a alma de tule:
Tecido que coaduna com o tempo que queria.
Respiro primavera, em tons pastel, pelo céu repleto de azul;

Certa respiração que contagia o ar que circunda,
E, o tempo, de repente, pára e faz vénia ao meu desfilar!
A sombrinha à mão abre em leque, a uma outra vida,
E a minha pele sente o frescor de uma manhã de amar.

Escuto o universo que se une em redor a cantarolar
As letras que segredam os meus lábios sedosos
E há um pássaro que vem à mão aninhar…

Quero acreditar que dentro de mim há o tempo que quero!
E, há um pássaro que aconchego ao peito…e sinto seus versos!
Logo, constato que dentro de mim há o tempo que quero.

© RÓ MAR

O TEMPO AMADURECE





O TEMPO AMADURECE


Porquê estar a sofrer vivendo apenas:
Eventuais supostos, coisas vãs…
Se o sol irrompe todas as manhãs!
Se há noites de luar, calmas, serenas!

Porquê conjecturar negros afãs,
Dar ouvidos a certas cantilenas…
Se há sempre soluções bem mais amenas,
Como afirmam experientes anciãs!

Porquê precipitar: lágrimas, nervos?…
Porquê tais pensamentos em acervos,
Imaginando tristes desenlaces?

O tempo raciocina, amadurece!
O coração perdoa, a mente esquece
E o sereno rubor regressa às faces!...

José Manuel Cabrita Neves
 

O LIVRO DA VIDA




O LIVRO DA VIDA


Esta vida é um livro a folhear,
Cada um tem o seu, bom ou ruim,
Ninguém o pode ler até ao fim,
E o seu conteúdo temos que aceitar.
 
É sempre o destino a editar
E aos poucos vai mostrando o seu latim,
Às vezes tem perfume de jardim
Para que possa a vida perfumar
 
Começa pelo acto da chegada,
É dia – a – dia a página virada,
E vai pla vida fora até à morte.
 
Só Deus Nosso Senhor tem o poder,
Para tudo no livro nos dizer
E a cada um ditar a sua sorte.
 
Abílio Ferradeira de Brito

EU CANTO O AMOR





Eu canto o amor


O verdadeiro amor jamais fenece
e sobrevive além da eternidade,
enflora sempre em forma de saudade
e mesmo na silente e terna prece.

Jamais em nossa vida se arrefece
o vero amor. E nada um dia há de
quebrar o seu encanto. E na verdade
um grande amor ninguém na vida esquece.

É como o sol, renasce a cada dia
e aquece a nossa alma. É luz, poesia
cantada por graciosos passarinhos.

Por isso eu canto o amor. E canto e canto
para louvar o seu fulgor, encanto
sempre a juncar de versos meus caminhos.

Edir Pina de barros

NUVENS ALTAS



NUVENS ALTAS


Nuvens altas, prenhes, cinzentas,
Entristecem, o céu velho e eterno.
Desfiguradas, tristes, pardacentas
Choram sobre, o meu ser terreno.

E, as lágrimas por elas choradas
Quando caem, leves sobre mim.
São por velhos anjos abençoadas
E deixam-me neste êxtase assim.

Gotas de água dum céu sublime
Esse perfume destilado nos céus 
Liquido purificado que me redime

Quando me perco nos olhos teus
Essa ilusão humana que define,
O sonho que me leva até Deus.

Joaquim Jorge de Oliveira

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

RESPIRO (A) MAR





RESPIRO (A) MAR


Adormecida em manto oiro saudade
Respiro (a) mar! Saracoteando a pele em poesia
A alma liberta-se, e olvida que vive utopia,
Num tempo que já foi meu e de verdade.

Tão íntimo e ainda presente! Ondas que banham
O coração (a) mar; as acaricio em fina mão,
Amando como se fosse a primeira vez;
Possuída por um amor escrevo mais uma vez.

Adormecida no dorso de uma paixão,
Solto caligrafia à linha do horizonte,
Observo o culminar do dia em refrão.

Tão perto de ser real! Então belisco o papiro,
Que volúpia minha alma, e assim suspiro
Letras que cruzam o sol e a lua tão presente.

© RÓ MAR

sábado, 2 de janeiro de 2016

SONHO ILUMINADO




" SONHO ILUMINADO "


Que o Sol desponte belo sobre o monte,
Que brilhe sempre a luz do teu olhar,
Que nossos corações façam a ponte
Para que o teu ao meu possa juntar.

Que jamais seque em nós cândida fonte,
Nem faltem belos sonhos p'ra sonhar,
Que seja sempre lindo o horizonte,
Lá onde o céu se junta com o mar.

Que a vida não se canse de ser vida,
De forma bem intensa e colorida,
Recheada do melhor que possa ter.

E que este grande amor que nos abraça
Não seja apenas ave que esvoaça,
Mas sim um sonho lindo até morrer!

Abílio Ferradeira de Brito

RESPIRO NATUREZA




RESPIRO NATUREZA


Abrindo as portas à beleza do novo ano
Respiro natureza em longos braços abertos;
O coração dilata-se perante tamanho diáfano;
Horizonte que me enleia seus segredos.

Abrindo o coração pela luz divina
Vejo um campo de espigas oiro;
Beijo de alma o astro magno que surdina,
Uma nova vida, chave de um tesoiro.

Embriagando-me no pleno amarelo- laranja
Que o espetro solar me confia respiro
Cores da natureza e fertilizo a granja.

Semeando as energias neste pleno oásis,
Que a vida concebeu, cresço e suspiro
Por um certo dia que colherei frutos reais.

© RÓ MAR

LIBERTAÇÃO




LIBERTAÇÃO


Já não me preocupa mesmo nada,
O que dizem ou pensam sobre mim!
Sou aquilo que sou, nasci assim!
Que importa se o que digo não agrada…

Acho que não sou bom nem sou ruim,
Mas não dou outra face à bofetada…
Nem me deixo incluir na carneirada,
Que só sabe aplaudir e dizer sim…

Quando a razão me assiste não me calo
E mesmo que se zanguem, não me ralo!...
Sou feliz a dizer tudo o que penso!

Têm de me aceitar tal qual eu sou,
Nesta luta interior em que me dou,
Nesta inglória batalha de consenso…

José Manuel Cabrita Neves