domingo, 29 de março de 2015

O AMOR UNIVERSAL

 
 
 

 

O AMOR UNIVERSAL


 As suas primaveras já passadas,
Os seus cabelos brancos como a neve,
Os bons e maus momentos que reteve,
Em memórias no tempo enrugadas…

Na vida há uma data em que prescreve
A duração dos dias e noitadas!
O acordar nas doces madrugadas,
Depois de ter vivido um sonho breve…

Mas enquanto não chega essa má hora,
Transmite uma cultura boca fora,
Enriquecendo a nova geração!

Lamenta sempre ser tão curta a vida,
Pra construir a obra pretendida:
O Amor universal em união!…

José Manuel Cabrita Neves