segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

INSTINTO ANIMAL




INSTINTO ANIMAL


Sinto no coração como um aperto…
Uma certa impotência me estrangula!
Um querer e uma barreira que o anula!
Uma luta inglória pelo certo…

Um desespero, em mim, já se acumula!
Não têm conta as lágrimas que verto,
De cada vez que fico boquiaberto,
Em mais uma notícia que circula!

São as crianças frágeis, qual cristal,
Que o homem com instinto animal,
Maltrata e utiliza brutalmente!

A sua graça, o riso, a alegria,
Que tanto nos anima e contagia,
No seu rosto se apagam tristemente!...

José Manuel Cabrita Neves