sábado, 5 de março de 2016

TARDE FRIA


Ilustração obra de Andreas Achenbach


TARDE FRIA


Nesta tarde fria, é cinzenta.
A cor do céu da esperança,
Que a minha alma acalenta,
Com o espírito de bonança.

Nesta tarde nostálgica, fria!
Percorre-me o pensamento,
Palavras prenhes de poesia,
Com a matriz doutro tempo.

Nesta tarde de tempestade,
Escrevi, sereno este poema.
Pra quebrar esta ansiedade,

Na alma que desejo eterna.
O antro divino da liberdade,
Éden de flores de açucena.

Joaquim Jorge de Oliveira