sexta-feira, 10 de julho de 2015

ABRIMOS UM AO OUTRO O CORAÇÃO


Aguarela de Bruno Braddell



ABRIMOS UM AO OUTRO O CORAÇÃO


Ao longe, os sobreiros silenciosos
Absorviam o luar com todo carinho,
Enquanto em giros belos, graciosos
As estrelas trocavam de caminho.

O vento cantava baixinho, virtuoso,
Deixando as sinfonias pelos beirais;
Nossos corações não dormiam mais
Imersos num amor doce e mavioso.

E a Lua não nos dava outra solução, 
Senão à luz do seu luar que seduzia,
Abrirmos um ao outro o coração…

Com o vento a trovar outra canção,
Quando lá ao longe a Lua se sumia,
Enfim, o teu primeiro beijo recebia!

Alfredo Costa Pereira