quarta-feira, 23 de abril de 2014

ARRUFOS

 
 
 
 
ARRUFOS

Desesperado, lágrimas na face,
Ali fiquei sentado à tua espera…
Alimentando em esperanças a quimera,
Que não seja verdade o desenlace!
 
Voltar atrás no tempo, quem me dera,
Que tudo de um mau sonho não passasse,
Por não termos alguém que nos abrace,
Quando de nós a dor se apodera!...
 
Sentado no passeio da tua rua,
Em frente à tua porta, olho a janela,
Esperando ver abri-la a dona dela…
 
Depois do sol fiquei à luz da lua,
Até que, vaporosa e sorridente,
À janela te via finalmente!...
 
José Manuel Cabrita Neves