quinta-feira, 24 de abril de 2014

A VOZ SÁBIA DO MAR




“A VOZ SÁBIA DO MAR”

No céu pleno de estrelas de oiro,
Vai boiando a lua indiferente e fria.
O mar bravo, de estoiro em estoiro,
Lá em baixo, em voz alta, me dizia:

Tufões, ostentações de Primavera,
Chuva, granizo, terra que se desnuda,
Tudo isto a Natureza alcança e altera...
Só o teu amor, irmão, é que não muda!

E de onda em onda, a voz brusca do mar
Corta o silêncio, faz bailar o teu saiote
E espalha-se, aquecendo a luz fria do luar.

Afagando-te a vista, deliciando-te o olhar,
Levei-te comigo, a remar no meu bote,
Ao Paraíso, pelas ondas arquejantes do mar.

Alfredo Costa Pereira


 Pintura de Hamish Blakely